segunda-feira, 15 de abril de 2024
23.8 C
Vitória

Pneumologista alerta sobre a baixa procura da vacina bivalente

A campanha de imunização contra a Covid-19 com a vacina bivalente segue em baixa em todo o país. Segundo o Ministério da Saúde, de um público-alvo de 55 milhões de pessoas, apenas 12,5 milhões tomaram a vacina bivalente até o mês de maio.

Não foi à toa que por conta desta baixa adesão, foi liberada a vacinação para toda a população acima de 18 anos e que tenha ao menos tomado duas doses das vacinas contra a Covid-19, em um período de quatro meses.

A pneumologista Jessica Polese esteve presente em um estudo na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) sobre a Covid-19. Junto a outros pesquisadores, ela participou do artigo “Função pulmonar e capacidade de exercício seis meses após a alta hospitalar de pacientes com COVID-19 grave”, que mostra preocupação com a baixa adesão ao esquema vacinal e apresenta dados científicos sobre as sequelas:

“Chamamos as sequelas de Covid longa e percebemos que a longo prazo do COVID-19, especialmente o comprometimento pulmonar, são frequentes, mas não bem compreendidas”, diz a médica.

O estudo publicado pela The Brazilian Journal of Infectious Diseases, foi realizado com pacientes que ficaram em estado grave e após seis meses de alta foram percebidos os sintomas, explicou a médica. Veja a seguir o método, resultados e a conclusão do estudo.

Método

O estudo foi realizado para avaliar sintomas (questionário padronizado), função pulmonar (espirometria) e capacidade de exercício (teste de caminhada de 6 minutos) aos 30 (D30), 90 (D90) e 180 (D180) dias após a alta hospitalar de pacientes sobreviventes ao COVID-19 grave. Excluímos neste acompanhamento pacientes com comorbidades antes da infecção por COVID.

Resultados

Foram incluídos 44 pacientes e 31 (26 homens) completaram o acompanhamento de 6 meses (média de idade 53,6 ± 9,6 anos). No D180, 28% ainda apresentavam pelo menos um sintoma. A mais comum foi dispneia (17,2%), seguida de tosse (13,8%) e mialgia (10,3%).

Todos os parâmetros espirométricos apresentaram melhora progressiva de D30 a D180. No entanto, 16% mantiveram padrão restritivo no teste de espirometria, 44% apresentaram dessaturação no teste de caminhada de 6 minutos e 25% caminharam < 75% do valor previsto.

Para a médica, alguns motivos fazem com que a população tenha deixado de se vacinar: “As fake news ainda são disseminadas; a baixa incidência da doença que foi justamente controlada com a vacinação anterior; e para alguns o medo mesmo de se vacinar”, explica.

“É preciso se vacinar por conta da proteção que a bivalente oferece a cepa original e a subvariante da Ômicron, principal vírus que ainda circula no mundo”, pontua Jessica.

Conclusão

Seis meses após a alta hospitalar, a função pulmonar reduzida e a capacidade de exercício reduzida foram encontradas com frequência e mais de um quarto permaneceu sintomático. Os sintomas persistentes e o comprometimento funcional sugerem que sequelas e desenvolvimento de Longa COVID-19 são muito comuns.

A identificação desses pacientes para fornecer os cuidados de saúde necessários é uma tarefa desafiadora, considerando o grande número de pacientes infectados e sobreviventes à doença COVID-19.

Receba as principais notícias do dia no seu WhatsApp! Basta clicar aqui.

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Relacionados

- Publicidade -