sexta-feira, 12 de agosto de 2022
21.6 C
Vitória

Meninas com menos de 17 anos são 57% das gestantes no Brasil

A gravidez na adolescência representa a maioria das gestações nos países em desenvolvimento, incluindo o Brasil. Aqui, a taxa de gestantes com menos de 17 anos é de 57%, um pouco menor que na região África Subsaariana, onde ela passa dos 60%. Nessa parte do continente africano, situada ao sul do Deserto do Saara, estão os países mais pobres do mundo, como Burundi, Sudão do Sul, Somália, Malawi, República Centro-Africana e República Democrática do Congo.

Esses dados fazem parte do estudo “Motherhood in Childhood: The Untold Story” (Maternidade na infância: a história não contada, em tradução livre), publicado pelo UNFPA (Fundo de População das Nações Unidas). Ele traz um panorama da gravidez na adolescência “em mais de 50 anos, nos países de baixa e média renda do mundo”, segundo consta no próprio relatório.

Ao todo, foram avaliadas informações de 54 países. Nessas localidades, 30% das mulheres se tornam mães antes de completarem 17 anos.

“Quando quase um terço de todas as mulheres nos países em desenvolvimento estão se tornando mães na adolescência, fica claro que o mundo está falhando com elas”, diz Natalia Kanem, diretora-executiva do UNFPA.

Para ela, a questão não é mais se uma menina vai dar luz a um filho ou não, mas se, quando e quantos partos ela terá. A pesquisa do UNFPA mostra que a gravidez na adolescência envolve três processos fundamentais e interconectados: (1) o primeiro parto da adolescente, (2) o período de tempo entre os partos, e (3) a quantidade de partos de cada mãe adolescente.

Depois de ter seu primeiro filho, as mães jovens costumam ter uma gravidez adicional, indica o relatório. “As gestações repetidas são um sinal claro de que as adolescentes precisam urgentemente de informações e de serviços de saúde sexual e reprodutiva”, afirma Natalia.

Primeiro parto com 14 anos

Entre as meninas que tiveram o primeiro parto com 14 anos ou menos, quase três quartos também tiveram o segundo ainda na adolescência, e 40% daquelas com dois filhos progridem para um terceiro parto antes de atingir a maioridade.

Os dados coletados indicam que a maioria dos nascimentos de mães com menos de 18 anos ocorre dentro de um casamento ou união estável. Embora mais da metade dessas gestações tenham sido classificadas como “planejadas”, acredita-se a capacidade das meninas de decidir se querem ter filhos pode ser severamente limitada.

De acordo com informações do R7 e da Agência Brasil, o relatório conclui que a gravidez na adolescência pode ser, muitas vezes, motivada pela falta de escolha ou de perspectiva, ou até por coerção.

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Relacionados

- Publicidade -