Projeto da Ufes avalia impacto da luminosidade da Antártica na saúde de pesquisadores

O projeto, denominado LuzAntar, utiliza um sistema e um equipamento para avaliar a quantidade e a qualidade da luz recebida no ambiente

 Projeto da Ufes avalia impacto da luminosidade da Antártica na saúde de pesquisadores

Base brasileira Estação Antártica Comandante Ferraz Foto: Reprodução

Um projeto de pesquisa desenvolvido na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) busca determinar a influência da iluminação na saúde e no conforto dos usuários da Estação Antártica Comandante Ferraz, base brasileira no continente. O projeto, denominado LuzAntar, utiliza um sistema e um equipamento para avaliar a quantidade e a qualidade da luz recebida no ambiente.

As tecnologias foram desenvolvidas pelos laboratórios de Telecomunicações (LabTel) e de Pesquisas em Redes e Multimídia (LPRM) da Universidade. O projeto analisa como as características inerentes à geografia do Círculo Polar Antártico – invernos longos e de pouca luz e verões com fenômenos como o sol da meia-noite (período com luminosidade 24 horas por dia) – afetam o metabolismo dos pesquisadores que vivem na estação.

O equipamento usado conta com sensores de umidade, temperatura, luz e qualidade do ar, e há a possibilidade de captar outros elementos, como som e imagem. O estudo é desenvolvido pelos doutorandos do Programa de Pós-Graduação em Energia Elétrica da Ufes (PPGEE) Daniela Amaro e Jordano Celestrini, juntamente com os pesquisadores de iniciação científica Bruno Rocha e Marcelo Victor Barbosa, sob a orientação do professor Marcelo Segatto.

Daniela Amaro, que é mestre em Arquitetura e em Engenharia Civil, compara os dados sobre a luz com informações a respeito das pessoas que frequentam a base da Antártica, extraídas com relógios inteligentes, dentre elas as relativas a pressão arterial e sono.

“É uma situação extrema e é preciso saber quais características do ambiente são nocivas para o ser humano. O fato de o projeto ser multidisciplinar é um ponto chave para o andamento, pois o conhecimento de Arquitetura e de Engenharia permite trabalhar a qualidade de vida dos usuários da estação”, afirma a pesquisadora, acrescentando que cada missão à Antártica possui 15 integrantes.

O projeto é continuação de uma série de estudos iniciados em 2012, na Antártica, pelo Laboratório de Planejamento e Projetos (LPP) da Ufes, com o objetivo de analisar a arquitetura da base dos pesquisadores no continente, e avaliar possíveis melhorias.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *