quarta-feira, 18 de maio de 2022
24.9 C
Vitória

Eleições 2022: Analista prevê disputa difícil para deputados federais. Veja a produção de cada parlamentar capixaba

As Eleições de outubro se aproximam e com elas a movimentação dos candidatos à procura de votos.
Serão 10 vagas de deputado federal em disputa nas Eleições 2022. Uma briga acirrada, onde cada voto é importante para o quociente partidário/eleitoral.
Funciona assim: Após a abertura das urnas, distribui-se o número de vagas na Câmara (10 cadeiras) pela quantidade de votos obtidos pelos partidos.
A lógica é simples, quanto mais votos, mais cadeiras de deputados, mais verba do Fundo Partidário e mais influência no Congresso Nacional.

Segundo o analista político Lucas Margoto, da Brand Pesquisas, o quociente partidário para essas eleições aponta que para preencher uma vaga de deputado federal cada partido vai precisar de 180 a 200 mil votos no Espírito Santo.
E a disputa é desigual. Quem já está ocupando uma vaga de deputado federal sai na frente, já que conta com uma série de vantagens como: aluguel de carro, verba de gabinete, linhas de celular, cargos públicos, passagens de avião, aluguel de salas, material de gráfica e salários acima da média nacional, entre outros benefícios concedidos com o dinheiro público.
Mas o que fizeram e como votaram os 10 deputados federais da bancada capixaba em Brasília nos últimos 4 anos? A reportagem do Jornal MovNews fez um levantamento das ações parlamentares para ajudar o eleitor a avaliar os candidatos à reeleição. A exceção dos 10 deputados é Felipe Rigoni (UB), pré-candidato ao governo do Estado.

Quem são eles

Dos deputados eleitos em 2014, cinco se reelegeram em 2018:

Helder Salomão (PT)

Sérgio Vidigal (PDT)

Norma Ayub (UB)

Paulo Foletto (PSB)

Evair de Melo (PP).

Novatos

Amaro Neto (PRB) – 181.813 votos

Da Vitória (PPS) – 74.787 votos

Dra. Soraya Manato (PSL) – 57.741 votos

Felipe Rigoni (PSB) – 84.405 votos

Ted Conti (PSB) – 42.580 votos

Votações polêmicas

Algumas matérias polêmicas votadas no plenário do Congresso racharam a bancada capixaba ao meio. Outras, juntaram os dissidentes, aglutinando forças antagônicas no campo político e ideológico.

Votações: Fundão Eleitoral

Uma delas, a polêmica proposta que aumentava o Fundo Eleitoral de R$ 1,9 bilhão para R$ 5,7 bilhões, revelou alguns posicionamentos dos parlamentares capixabas.
Parlamentares reconhecidamente de esquerda não ouviram o clamor das ruas, teoricamente de onde vêm a sua base eleitoral, e votaram pela ampliação dos recursos destinados aos partidos. Deputados com posicionamento mais de centro-direita, votaram contra o aumento.

Votaram contra o aumento do Fundão:

Felipe Rigoni (UB)
Soraya Manato (PTB)
Norma Ayub (UB)
Da Vitória (PP)

Votaram a favor do aumento do Fundão:

Helder Salomão (PT)
Ted Conti (PSB)
Laurieti (PSC)
Amaro Neto (Republicanos)

Não votaram:

Evair de Melo (PP)
Neucimar Fraga (PSD)

Quarentena para Juízes

Em outro tema polêmico, a inserção no Código Eleitoral de uma quarentena para juízes, desembargadores e militares que queiram se candidatar após deixarem seus cargos, os parlamentares do Espírito Santo, mais uma vez, votaram sem consenso.

Votaram a favor da Quarentena de 4 anos

Evair de Melo (PP)
Helder Salomão (PT)
Norma Ayub (UB)
Felipe Rigoni (UB)

Votaram contra a Quarentena de 4 anos

Amaro Neto (Republicanos)
Da Vitória (PP)
Ted Conti (PSB)
Neucimar Fraga (PSD)
Laurieti (PSC)

Base Eleitoral: Jogos de Azar

Quando o assunto mexe com a base eleitoral da maioria dos parlamentares, a unanimidade aparece. Foi o caso da votação do projeto de lei que legaliza os jogos de cassinos, de bicho e outras modalidades de jogos de azar no Brasil. A maioria dos deputados evangélicos e católicos da bancada capixaba votou contra o projeto de lei. Só os deputados Evair Mello (PP), Da Vitória (Cidadania) e Felipe Rigoni (União) votaram a favor do projeto.
A legalização dos jogos, aprovada pela Câmara, criou uma expectativa de arrecadação que agora é alvo de interesse de governos estaduais e de prefeituras. Com medo de desagradar a base cristã, seis deputados votaram contra e Neucimar Fraga se absteve:

Votaram contra os Jogos de Azar

Norma Ayub (União)
Helder Salomão (PT)
Amaro Neto (Republicanos)
Lauriete Almeida (PSC)
Ted Conti (PSB)
Dra Soraia (União)
Neucimar Fraga (PSD) não votou
 

Voto Impresso

E o que falar da votação mais que polêmica do voto impresso? Defendido por Bolsonaro, a Proposta de Emenda Constitucional juntou a bancada capixaba em Brasília. Dos dez representantes do Estado, oito disseram sim ao projeto de emenda constitucional defendido veementemente pelo presidente Jair Bolsonaro. Apenas um foi contrário e o outro não estava presente. A participação dos capixabas, no entanto, foi insuficiente para aprovar a medida.

Os favoráveis à PEC foram:

Amaro Neto (Republicanos)
Soraya Manato (PSL)
Norma Ayub (UB)
Neucimar Fraga (PSD)
Lauriete (PSC)
Da Vitória (PP)
Ted Conti (PSB)
Evair de Melo (PP)
Felipe Rigoni (UB) não votou

Contrário ao Voto Impresso

Helder Salomão (PT)

Reforma da Previdência

Quando o assunto foi Reforma da Previdência, a maioria dos deputados da bancada capixaba na Câmara dos Deputados votou favoravelmente ao texto-base da reforma da Previdência, que foi aprovado em primeiro turno no plenário da Casa. Foram oito parlamentares a favor do projeto e dois contra.

Votaram contra a Reforma da Previdência

Helder Salomão (PT)
Sérgio Vidigal (PDT).

Votaram a favor da Reforma da Previdência

 Amaro Neto (PRB)
Da Vitória (PP)
Dra. Soraya Manato (PSL)
Evair Vieira de Melo (PP)
Felipe Rigoni (PSB)
Lauriete (PL)
Norma Ayub (UB)
Ted Conti (PSB)

 

Produção Legislativa

Dos 10 deputados federais eleitos em 2018, Paulo Foleto (PSB) se licenciou para assumir a Secretaria de Agricultura do Estado. O suplente, o jornalista Ted Conti (PSB), assumiu a vaga desde 2019. Já Sérgio Vidigal (PDT) elegeu-se prefeito da Serra, em 2020, assumindo o suplente, Neucimar Fraga (PSD).
O deputado Felipe Rigoni não vai disputar a reeleição. O parlamentar é pré-candidato ao governo do Estado.
Numa análise dos dados comparativos obtidos no portal da Câmara dos Deputados, algumas constatações saltam aos olhos.
A deputada Soraya Manato, por exemplo, que é médica, fez nada menos que 429 discursos em pouco mais de 3 anos de mandato. Já o comunicador e apresentador de televisão, Amaro Neto, fez apenas 1 discurso em 39 meses de Congresso.

Amaro Neto (Republicanos)

Ano 2019
Propostas legislativas: 312
Votações nominais: 324
Discursos: 01
Presenças: 113
Ausências Justificadas: 00
Ano 2020
Propostas legislativas: 09
Votações nominais: 394
Discursos: 00
Presenças: 101
Ausências Justificadas: 01
Ano 2021
Propostas legislativas: 48
Votações nominais: 762
Discursos: 00
Presenças: 131
Ausências Justificadas: 00
Ano 2022
Propostas legislativas: 01
Votações nominais: 153
Discursos: 00
Presenças: 27
Ausências Justificadas: 00

Da Vitória (PP)

Ano 2019
Propostas legislativas: 280
Votações nominais: 309
Discursos: 75
Presenças: 100
Ausências Justificadas: 10
 
Ano 2020
Propostas legislativas: 06
Votações nominais: 367
Discursos: 04
Presenças: 98
Ausências Justificadas: 04
 
Ano 2021
Propostas legislativas: 61
Votações nominais: 761
Discursos: 20
Presenças: 130
Ausências Justificadas: 01
 
Ano 2022
Propostas legislativas: 06
Votações nominais: 153
Discursos: 01
Presenças: 27
Ausências Justificadas:00
 

Evair de Melo (PP)

Ano 2019
Propostas legislativas: 220
Votações nominais: 301
Discursos: 78
Presenças: 103
Ausências Justificadas: 07
 
Ano 2020
Propostas legislativas: 100
Votações nominais: 394
Discursos: 96
Presenças: 101
Ausências Justificadas: 01
 
Ano 2021
Propostas legislativas: 174
Votações nominais: 741
Discursos: 72
Presenças: 124
Ausências Justificadas: 05
 
Ano 2022
Propostas legislativas: 13
Votações nominais: 153
Discursos: 05
Presenças: 27
Ausências Justificadas: 01
  

Felipe Rigoni (UB)

 Ano 2019
Propostas legislativas: 325
Votações nominais: 301
Discursos: 15
Presenças: 103
Ausências Justificadas: 09
 
Ano 2020
Propostas legislativas: 236
Votações nominais: 294
Discursos: 25
Presenças: 99
Ausências Justificadas: 01
 
Ano 2021
Propostas legislativas: 219
Votações nominais: 762
Discursos: 16
Presenças: 129
Ausências Justificadas: 02
 
Ano 2022
Propostas legislativas: 52
Votações nominais: 153
Discursos: 01
Presenças: 27
Ausências Justificadas: 01
 

Helder Salomão (PT)

 Ano 2019
Propostas legislativas: 261
Votações nominais: 280
Discursos: 10
Presenças: 104
Ausências Justificadas: 09
 
Ano 2020
Propostas legislativas: 365
Votações nominais: 394
Discursos: 43
Presenças: 100
Ausências Justificadas: 01
 
Ano 2021
Propostas legislativas: 358
Votações nominais: 762
Discursos: 139
Presenças: 132
Ausências Justificadas: 00
 
Ano 2022
Propostas legislativas: 24
Votações nominais: 153
Discursos: 14
Presenças: 26
Ausências Justificadas: 00

Lauriete (PSC)

Ano 2019
Propostas legislativas: 116
Votações nominais: 308
Discursos: 04
Presenças: 108
Ausências Justificadas: 04
 
Ano 2020
 Propostas legislativas: 22
Votações nominais: 394
Discursos: 00
Presenças: 98
Ausências Justificadas: 03
 
Ano 2021
Propostas legislativas: 67
Votações nominais: 750
Discursos: 09
Presenças: 130
Ausências Justificadas: 02
Ano 2022
Propostas legislativas: 18
Votações nominais: 153
Discursos: 00
Presenças: 27
Ausências Justificadas: 00
 

Neucimar Fraga (PSD)

Ano 2021
Propostas legislativas: 62
Votações nominais: 760
Discursos: 178
Presenças: 131
Ausências Justificadas: 00
 
Ano 2022
Propostas legislativas: 10
Votações nominais: 142
Discursos: 39
Presenças: 16
Ausências Justificadas: 01
 
 

Norma ayub (UB)

Ano 2019
Propostas legislativas: 135
Votações nominais: 321
Discursos: 02
Presenças: 104
Ausências Justificadas: 09
Ano 2020
Propostas legislativas: 88
Votações nominais: 394
Discursos: 02
Presenças: 97
Ausências Justificadas: 05
 
Ano 2021
Propostas legislativas: 73
Votações nominais: 756
Discursos: 01
Presenças: 129
Ausências Justificadas: 03
 
Ano 2022
Propostas legislativas: 09
Votações nominais: 153
Discursos: 00
Presenças: 27
Ausências Justificadas: 00
 
 

Sérgio Vidigal (PDT)

Ano 2019
Propostas legislativas: 478
Votações nominais: 311
Discursos: 05
Presenças: 110
Ausências Justificadas: 03
Ano 2020
Propostas legislativas: 77
Votações nominais: 393
Discursos: 01
Presenças: 102
Ausências Justificadas: 00
Ano 2021
Propostas legislativas: 03
Votações nominais: 126
Discursos: 02
Presenças: 22
Ausências Justificadas: 00
 
 

Soraya Manato (PSC)

 Ano 2019
Propostas legislativas: 145
Votações nominais: 320
Discursos: 171
Presenças: 113
Ausências Justificadas: 00
 
Ano 2020
Propostas legislativas: 238
Votações nominais: 394
Discursos: 88
Presenças: 101
Ausências Justificadas: 01
 
Ano 2021
Propostas legislativas: 244
Votações nominais: 762
Discursos: 132
Presenças: 132
Ausências Justificadas: 00
 
Ano 2022
Propostas legislativas: 24
Votações nominais: 153
Discursos: 38
Presenças: 27
Ausências Justificadas: 00
 

Ted Conti (PSB)

 

Ano 2019
Propostas legislativas: 144
Votações nominais: 299
Discursos: 11
Presenças: 107
Ausências justificadas: 04
Ano 2020
Propostas legislativas: 84
Votações nominais: 394
Discursos: 03
Presenças: 99
Ausências Justificadas: 02
Ano 2021
Propostas legislativas: 95
Votações nominais: 762
Discursos: 04
Presenças: 132
Ausências Justificadas: 00
 
Ano 2022
Propostas legislativas: 03
Votações nominais: 126
Discursos: 02
Presenças: 22
Ausências Justificadas: 00
 

Estratégias Eleitorais

Para a estrategista em marketing político, Luciana Tonon, em um tempo em que a sociedade está mergulhada em narrativas impulsionadas por fake news, a palavra de ordem na construção de imagem política é “transparência”.
“É preciso mostrar o que foi feito e como o parlamentar votou nas matérias mais polêmicas. Isso faz com que o eleitor possa ter uma média de como o parlamentar votou em temas que mexem com a vida do cidadão. Por outro lado, esse mesmo cidadão tem acesso, por meio dos portais de transparência a todos o histórico de faltas e votações, de contribuições e retrocessos de cada deputado. Não tem mais como esconder ou maquiar dados”, afirma Tonon.

Analista político prevê dificuldades

Já para o analista político e proprietário da Brand Pesquisas, Lucas Margoto, as eleições de 2022 começam a ganhar contornos mais nítidos após o fim da janela de trocas partidárias e do prazo de filiação para aqueles que pretendem disputar mandatos eletivos em outubro.
“Agora é de se esperar muita movimentação nos bastidores dos partidos para a formação das chapas, composições e alianças”, explica.
Segundo ele, em 2018, aqui no Espírito Santo, foram 801 os candidatos registrados na Justiça Eleitoral para todos os cargos em disputa – somente para deputado estadual concorreram 614 candidatos, e outros 170 tentaram a sorte para o cargo de deputado federal.
“Naquele ano, o deputado estadual mais votado no Estado obteve 47.015, enquanto que a 30º vaga na Assembleia Legislativa foi conquistada com pouco mais de 11 mil votos. Já na formação da bancada federal tivemos um campeão de votos com 181.813 votos, enquanto a 10ª e última vaga foi obtida com 48.412 votos”, afirma.
Mas os tempos eram outros, literalmente. Naquela eleição ainda existia a regra de coligações entre partidos para os cargos proporcionais (deputados), mas nesta eleição de 2022 isso não vale mais. Agora, cada partido depende exclusivamente dos candidatos da própria legenda para alcançar o quociente eleitoral mínimo e garantir cadeiras nos parlamentos estadual e federal.
“Pelas nossas projeções, considerando que o Espírito Santo terá aproximadamente 2.850.000 eleitores aptos a votar em outubro, a quantidade de votos válidos para os cargos de deputado deve ficar próxima dos 2 milhões, o que daria um corte de aproximadamente 190 mil a 200 mil votos necessários para se conquistar uma vaga na Câmara Federal, e cada cadeira na Assembleia Legislativa demandará um quociente de aproximadamente 65 mil votos”, explica.
Isso significa que os partidos precisarão lançar candidatos com boa densidade eleitoral, os “puxadores de votos” – muitos deles são parlamentares com mandato, ex-deputados, ex-prefeitos e políticos bastante conhecidos – para chegar a esses quantitativos mínimos para eleger seus filiados. É de se supor que teremos disputas bastante acirradas, principalmente para as 10 cadeiras de deputado federal. Partidos que jogam bem esse jogo costumam trazer para suas fileiras pré-candidatos com maior potencial, grande base eleitoral e muitos apoios espalhados por todo o Estado. Se não fizer as contas com muito cuidado e cálculo estratégico, o projeto político-eleitoral pode dar muito errado. Aí, os adversários agradecem.

Emendas para Segurança

De acordo com o  coordenador da bancada federal capixaba no Congresso Nacional, deputado Da Vitória (PP), os parlamentares capixabas em Brasília repassaram quase R$ 60 milhões em emendas até 2021, somente na área de Segurança, para o Espírito Santo.
Os recursos são aplicados para a compra de armas, viaturas, equipamentos e melhorias da infraestrutura da Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros Militar.

Orçamento Secreto

Quatro deputados federais capixabas apareceram na lista do Orçamento Secreto, uma espécie de orçamento paralelo que desobriga quem recebe de declarar como o dinheiro foi gasto ou, em alguns casos, exime o pagador de revelar para onde destinou o recurso público. A medida foi bastante criticada, inclusive no Espirito Santo.
Da Vitória – R$  3,9 milhões
Norma Ayub – R$ 2,9 milhões
Evair de Melo – R$ 2,4 milhões
Soraya Manato – R$ 410 mil
 
- Publicidade -

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Relacionados

- Publicidade -