sábado, 21 de maio de 2022
23.9 C
Vitória

Em nota fria, PSDB responde a César Colnago sobre saída: “naturalidade”

O Partido Social Democrata Brasileiro (PSDB) do Espírito Santo não se incomodou com a desfiliação de César Colnago. Longe disso, a legenda que pouca questão fazia de ter o ex-vice-governador em suas fileiras demonstrou, mais uma vez, agora em nota fria assinada pelo vice-presidente estadual Oziel Andrade, que a porta da rua era a serventia da casa.

“O PSDB é um partido que preza e sempre prezou pela democracia e liberdade de escolha de seus filiados. Dessa forma, o tucanato capixaba recebe com muita naturalidade a desfiliação do ex-vice-governador César Colnago, agradecendo ao mesmo por sua contribuição e o desejando sucesso em sua jornada!”, diz o comunicado.

Desfiliado desde o final da tarde desta quarta-feira (30), quando assinou a documentação para deixar o ninho, Colnago não encontrava um ambiente favorável às suas pretensões políticas: disputar o governo do Estado.

A “muita naturalidade” com que o partido encarou a baixa de um dos seus fundadores no estado se justifica por, hoje, o tucanato estar também muito naturalmente ligado ao PSB e, ao que tudo indica, em vias de apoiar a reeleição do governador Renato Casagrande.

Tanto é que as tentativas de diálogo foram insuficientes, para não dizer inúteis. Desde janeiro deste ano, quando do último contato entre Colnago e o presidente estadual Vandinho Leite, apenas um encontro. Na ocasião, não pesaram trajetória ou pesquisas.

Segundo Colnago, levantamentos internos registrados o credenciariam à disputa pelo Palácio Anchieta. Os dados foram apresentados ao governador de São Paulo, João Doria, que não deixou de incentivar sua candidatura. “Não vai encarar?”, teria indagado o paulista ao observar números que fariam do itaranense um candidato “completamente viável”.

“Falei para ele [Vandinho] e também para a nacional que, da forma que estava sendo conduzido, eu não ficaria no partido, porque o meu projeto não estava sendo contemplado”, relatou Colnago em entrevista concedida nesta quinta, em sua residência, em Vitória, após formalizar sua desfiliação. Questionado sobre a reação do presidente estadual sobre o exposto, o ex-tucano disse apenas que: “ele ouviu”.

Colnago ajudou a fundar o ninho tucano no estado, partido em que atuou por três décadas – Foto: Erick Alencar

A poucas horas de assinar a ficha de filiação ao PSD, comandado no Espírito Santo por seu amigo e colega de governo Paulo Hartung (sem partido) José Caros da Fonseca Júnior, o Zé Carlinhos, Colnago parece ter calculado sabiamente os seus passos. Isso porque Doria anuncia, nesta tarde, sua desistência de concorrer à Presidência da República.

Tirar o time de campo tem sido movimento constante do PSDB no Espírito Santo, já que, em 2018, o partido não lançou o então vice-governador na briga pelo Executivo. Pelo contrário, a despeito da presidência ser ocupada à época pelo próprio Colnago, o ninho preferiu a sombra de Casagrande e a sombra da forte coligação montada. Restou assim uma candidatura improvisada à Câmara dos Deputados que não rendeu frutos.

O mesmo ocorre no plano nacional. Mesmo vencendo o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, nas prévias, Doria disse à imprensa que se sente abandonado a ponto de ver o resultado da desgastante disputa interna no final de 2021 desprezado. Leite ensaiava filiação ao PSD, a convite de Gilberto Kassab, mas desistiu após cortejo de vários tucanos, inclusive do presidente Bruno Araújo.

Depois do fico, o gaúcho vem tentando reaver sua pré-candidatura ao Palácio Planalto, estimulada por Aécio Neves e Tasso Jereissati. Agora, Doria se vê ameaçado de sofrer um um processo de impeachment, a pedido de seu próprio vice, secretário estadual de Governo e correligionário, Rodrigo Garcia, de olho na assunção ao Executivo após a desincompatibilização do chefe, determinada pela lei para ocorrer até sábado (2). Irritado, Garcia anunciou a entrega da secretaria que ocupa.

Um partido formado dos anseios por redemocratização, protagonista de momentos importantes da história brasileira, que elegeu Presidente da República e rivalizou com o PT por eleições a fio em todo país,  míngua a céu aberto. De racha em racha, o ninho desmancha. Sem Colnago e pré-candidatura ao governo do Espírito Santo, sem rumo nacionalmente, hoje, o PSDB vale o quanto pesa.

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Relacionados

- Publicidade -