quarta-feira, 18 de maio de 2022
24.9 C
Vitória

Jovem fuzilado com 30 tiros havia escapado de emboscada no ano passado

O jovem Victório da Silva Dias tinha 16 para 17 anos quando sofreu um atentado, a tiros, dentro de um veículo acionado por aplicativo, no bairro Ilha das Flores, em Vila Velha. A tentativa de homicídio aconteceu em 2021 e deixou o rapaz ferido com três tiros. Ele sobreviveu, mas a namorada dele à época, Bianca Moreira, então com 17 anos, acabou baleada seis vezes e morreu na hora.
Gravemente ferido, o rapaz deitou na calçada e pediu socorro. Moradores da região acionaram o SAMU 192 e o rapaz foi levado ao hospital e sobreviveu.
Os bandidos fugiram e ninguém foi preso. Na época, a perícia encontrou mais de 30 perfurações no veículo e no corpo das vítimas. As armas usadas no crime também não foram encontradas.

Na madrugada desta quarta-feira (16) Victório da Silva Dias não deu tanta sorte quanto no ano passado e acabou morto sem piedade. Seis homens fortemente armados invadiram o sobrado onde ele e a nova namorada viviam, há pouco mais de dois meses, e fuzilaram o rapaz com mais de 30 tiros, todos disparados à curta distância, como se a vítima tivesse sido pega totalmente de surpresa, sem qualquer chance de reação.

Execução

O casal de namorados estava no mesmo sobrado, só que em andares diferentes. De posse da chave da portaria do sobrado, conseguida após ameaça e intimidação aos donos do imóvel, os bandidos entraram no prédio, renderam a moça e a levaram para o andar onde estava Victório da Silva.

Em silêncio, os bandidos o surpreenderam a tiros. Victório foi executado na frente da moça que, mesmo poupada da morte, está em choque e com os barulhos dos tiros e a imagem do corpo do namorado morto na cabeça.

O crime aconteceu no bairro Zumbi dos Palmares, também em Vila Velha e deixou a vizinhança apavorada. Os tiroteios na região são constantes, inclusive no meio da rua e durante o dia, afirmam os moradores.

Próximo ao corpo do jovem foram encontrados um revólver calibre 38, várias munições intactas e pequena quantidade de uma substância branca análoga à cocaína.

Victório da Silva Dias era apontado como integrante de uma facção criminosa que vinha crescendo em Vila Velha, atuando no tráfico de drogas, assaltos e extorsão de comerciantes. O faturamento do grupo, segundo testemunhas, vinha aumentando, crescendo assim o poder de fogo da quadrilha.

Jurado de morte pela ascensão meteórica no mundo do crime, Victório da Silva foi fuzilado por inimigos de uma facção rival nesta madrugada, engrossando as graves estatísticas de jovens negros assassinados no Espírito Santo.

Uma fonte da Polícia Civil afirmou que o jovem, apesar da pouca idade, era uma espécie de líder da facção e atuava com extrema violência, assassinando suas vítimas com crueldade. Além disso, Victório da Silva, “pela característica de liderança, vinha crescendo rapidamente no mundo do crime, despertando a inveja dos rivais”, afirmou.

A Polícia pede à população que contribua com as investigações, denunciando às autoridades o paradeiro ou a identidade dos criminosos. Os canais de comunicação do Estado garantem o anonimato do denunciante, que pode ligar para o número Disque-Denúncia 181 ou pelo portal disquedenuncia181.es.gov.br.

As investigações sobre o crime serão comandadas pela equipe de policiais da Divisão de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) de Vila Velha, que trabalha com a hipótese de execução na guerra do tráfico. A hipótese de latrocínio foi descartada já que nada foi levado das vítimas.

De acordo com familiares da namorada da vítima, ela não sabia do envolvimento de Victório da Silva no mundo do tráfico. “A gente sabia que ele era usuário de drogas, mas não traficante”, afirmaram. Apesar da alegação dos familiares, nas redes sociais de Victório era fácil encontrar fotos suas ostentando armas e cigarros de maconha.

 

 

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Relacionados

- Publicidade -