quarta-feira, 18 de maio de 2022
25.9 C
Vitória

Operação Resguardo promove ações de combate à violência contra a mulher

Teve início nesta semana, em todo o país, a segunda edição da Operação “Resguardo”. O objetivo é colocar em ação práticas mecanismos que assegurem o combate à violência contra a mulher.

A inciativa é coordenada no país pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) em parceria com as Polícias Civis nos estados. 

As ações consistem no aumento do cumprimento de mandados de prisão para acusados de violência de gênero e  feminicídio, a apuração das denúncias e instauração de inquéritos em todos os estados e no Distrito Federal.

No Espírito Santo, a responsável pela operação é a delegada chefe da divisão especializada em atendimento à mulher, Cláudia Dematté. Ela explica que as ações, tanto de cunho repressivo como preventivo do enfrentamento à violência doméstica e familiar contra a mulher, combatem uma situação cultural da sociedade que precisa ser mudada.

“Infelizmente sempre existiu em nossa sociedade, fruto de uma sociedade machista, cultura patriarcal, com machismo estruturante, o fato de homens pensarem que a mulher é posse e propriedade deles. Vamos realizar ações de prevenção, orientação e educação. Nós dialogamos com a população, homens, mulheres e crianças. Estamos indo em escolas de vários lugares para dialogar”, acrescenta. 

As ações da Operação “Resguardo” são possíveis através de uma delegacia móvel que  percorre, desde a última segunda-feira (7), mais de 50 municípios com as equipes especializadas de atendimento à mulher divididas entre a Grande Vitória e o interior do Estado. 

As equipes são treinadas para abordarem a população. Há diálogo, entregas de panfletos de orientação e cartilhas. Tudo para explicar sobre a violência, que não é só física e pode ser moral, psicológica, sexual e patrimonial. Além disso, estão sendo realizadas orientações sobre como denunciar esse tipo de violência e atendimento a vítimas na delegacia móvel.

“Então se uma mulher é vítima, ela vai entrar no ônibus da delegacia móvel e receber acolhimento. Temos psicólogas e assistentes sociais que são policiais civis. Além dos nossos investigadores, agentes, escrivães e delegados que estão conosco nessa ação. Então, ela poderá registrar o boletim e pedir medida protetiva”, explica.

Ações repressivas e preventivas

Na segunda-feira (07), em Santa Teresa, um homem de 40 anos foi preso após ameaçar uma mulher com uma faca. A delegada, Cláudia Dematté afirma que a ação repressiva aconteceu enquanto as equipes estavam na Praça de Turismo de Santa Teresa. Uma mulher saiu da rodoviária da região em direção aos policiais pedindo ajuda pois estava sendo ameaçada de morte. Ao chegar ao local, os agentes detiveram o acusado.

Como prevenção, a delegada compreende a necessidade de que as ações sejam realizadas no âmbito cultural, para que a mentalidade da sociedade sobre o tratamento da mulher mude, e, assim a violência seja de fato combatida. 

“Essa violência é cultural, então ela precisa ser combatida por dois vieses, não só o da repressão. Nós estamos combatendo essa violência no viés da prevenção, porque nós precisamos desconstruir esses valores machistas que existem na sociedade e que levam homens a praticarem até hoje, esses atos criminosos absurdos de violência contra a mulher”, completa.

Dados da primeira edição da Operação Resguardo

A primeira edição da Operação Resguardo no Espírito Santo teve início no dia 1º de janeiro de 2021. De acordo com informações da Polícia Civil, 514 homens foram presos no Espírito Santo, suspeitos de cometer violência contra mulheres. 

Mais de 100 mandados de prisão foram cumpridos durante as ações. O período também registrou mais de 36 determinações de busca e apreensão, além de cinco armas apreendidas.  

A população também esteve ativa na realização da Operação Resguardo. O registro mostra mais de 427 denúncias oriundas do Disque-Denúncia 181, e do Disque 180, bem como mais de 1.728  inquéritos policiais  instaurados e, mais de 1.146 inquéritos policiais relatados.

Em nível nacional, de acordo com informações do Governo Federal, na primeira edição foram apurados 51.551 denúncias em todo o país. Do total, aproximadamente 190 mil pessoas, vítimas da violência de gênero, foram atendidas e 10 mil, acusadas de cometer esse crime, presas.

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Relacionados

- Publicidade -