terça-feira, 17 de maio de 2022
21.9 C
Vitória

Transformação social por meio do surfe. Conheça a história de Juliano Moulin

Tem muita gente que sonha com um mundo melhor, mas são poucos que realmente fazem dele um lugar especial. O surfista Juliano Moulin é uma dessas pessoas. Um cara simples, boa gente e com um coração gigante.

Para quem não sabe, Juliano abriu mão da carreira profissional para cuidar de crianças e adolescentes em risco social. Foi aí que ele criou o projeto social “Na Onda do Futuro”. Hoje com 42 anos, o “Tio Ju”, como é carinhosamente chamado, também dá aulas particulares desde 2006 na praia do Solemar, em Jacaraípe, na Moulin Surf School.

É lá que ele tem a missão de disseminar o esporte para praticantes de todas as idades, que vão desde crianças até pessoas da terceira idade.

Quem vê Juliano arrepiando com sua prancha nas ondas de Jacaraípe, não imagina que as primeiras remadas foi no bodyboard, aos 9 anos.

O tempo passou. Em 2005 ele se formou em Educação Física pela Escola Superior São Francisco de Assis (ESFA) e virou exemplo de dedicação para todos que convivem ao seu redor.

Nessa reportagem vamos conhecer um pouco mais da trajetória desse cara que é muito querido pelos amantes das boas ondas.

Estilo de vida

“Para mim, o surfe é um estilo de vida. Estou há mais de 30 anos no esporte. Fico muito feliz de ver que hoje somos também o país do surfe, com grandes nomes do esporte como Adriano de Souza, Gabriel Medina e Ítalo Silva, por exemplo”.

 

Juliano Moulin curtindo mais um dia de surfe no quintal de casa

Sabemos que tem crianças e idosos encarando as ondas com seus ensinamentos. A pergunta é: qualquer um pode mesmo aprender a surfar?

“Não existe barreira para realizar este sonho de aprender a surfar. Temos um cuidado especial com quem nunca surfou. Nossa equipe conhece cada pedacinho da praia do Solemar. Sabemos onde estão os pontos mais fáceis de entrar no mar e também os mais seguros. O aluno só vai para a água acompanhado do instrutor. Inclusive, no início, as aulas são nos bancos de areia mais altos. Assim é possível ter um bom equilíbrio. Durante o processo de iniciação, usamos pranchas maiores para garantir a estabilidade e facilitar na hora de pegar a primeira onda”, disse Juliano.

Projeto social

Além dos ensinamentos na escolinha particular, Juliano também surfa na onda da solidariedade. Ele desenvolve o projeto social “Na Onda do Futuro”, que já atendeu cerca de 700 crianças e adolescentes entre seis e 15 anos, desde 2006.

A atividade é promovida pela Rede ALSA (Associação Lar Semente do Amor) e conta com cinco núcleos na Serra: Jacaraípe, Carapebus, Eldorado, Planalto Serrano e Serra Dourada.

A turminha do projeto social fazendo a festa com presentes

O projeto trabalha três eixos com os pequenos: convivência social, direito de ser e participação.

“Por meio do projeto, crianças e adolescentes têm acesso a várias atividades e oficinas no contraturno escolar, como esporte, dança, meio ambiente e, principalmente, o serviço de convivência e fortalecimento de vínculos. Neste período de pandemia, entregamos cestas básicas, verduras e frutas para as famílias acompanhadas”, cita o tio Ju.

Conquista

“Hoje, eu digo que a minha principal conquista na vida foi o projeto ter dado certo, pois queria que o esporte, principalmente o surfe, fosse levado para outras pessoas. Faço tudo com muito carinho, dedicação e respeito a todos. Isso aqui para mim se tornou uma família, pois eu aprendo mais com eles do que ensino todos os dias. Só tenho a agradecer em poder trabalhar com o que gosto e sei fazer. Nestes quase 15 anos de projeto, acredito que mais de 5 mil pessoas já passaram por aqui. Isso é só gratidão e felicidade por fazer parte da vida de cada um. É uma sensação única”.

Transformação de vidas

O esporte é capaz de transformar a vida de várias crianças e adolescentes. A Moulin Surf School, por meio do projeto “Na Onda do Futuro”, tem uma importante missão nesse aspecto.

Um dos meninos do surfe que deram certo foi Marcos Talfman, hoje com 23 anos. Ele iniciou no projeto aos 12 anos e disse que o surfe foi um divisor de águas na sua vida: “Quando comecei aqui, eu nem sabia nadar. Aprendi a ter mais disciplina e conviver melhor em grupo. O projeto me ensinou a ter cuidado com a saúde, a importância de uma boa alimentação e dos treinos físicos. Com toda a certeza, o surfe me proporcionou ter uma vida mais regrada e equilibrada”, disse.

“Com toda a certeza, o surfe me proporcionou ter uma vida mais regrada e equilibrada”, disse Marcos.

Além disso, Marcos consegue seu sustento financeiro com o surfe, dando aulas na escolinha que o revelou. O jovem é professor da modalidade nas praias de Jacaraípe: “Sigo treinando os atletas de nível intermediário e avançado. Mas também participo de algumas competições na categoria Open”.

Marcos tirando a maior onda ao lado do ídolo Filipe Toledo

Já Matheus Henrique Alves Ribeiro, de 25 anos, trabalha com Logística, mas revela como o surfe mudou a sua vida: “Através do surfe, descobri quem sou e quem eu queria ser. Conheci várias pessoas e lugares diferentes, outras culturas e vivências diferentes”.

No início, Matheus acompanhava seu irmão, mas aos poucos foi criando confiança em cair na água: “Fiquei dois meses só indo ver meu irmão. Mas, graças à insistência, decidi encarar as águas. Aos poucos, fui criando confiança”.

Um ensinamento que Matheus leva: “O surfe é como a vida, tem horas que você precisa tomar uma decisão e encarar o medo ou seu maior desafio. O meu maior desafio foi uma onda de dois metros, em Carapebus, na Serra. Fiquei um bom tempo debaixo d’água e a água arrastou meu corpo. Mas tive que contornar a situação”.

Carlos Eduardo da Silva Souza, de 13 anos, diz como o projeto tem importância na sua vida: “O surfe é muito legal. Já aprendi muito e fiz novas amizades. Às vezes, dá um friozinho na barriga, mas os “tios” nos dão muita segurança para seguirmos”.

Nicolas Bolis, de 12 anos, acredita muito em um futuro promissor no esporte: “Gostaria muito que, através do surfe, tivesse uma profissão ou que conseguisse ajudar outras pessoas também a seguir, pois, para mim, o surfe é a melhor coisa que existe na vida”.

“Eu fui um dos alunos da primeira turma do Juliano, porque era pertinho da minha casa. Tinha meus 12 anos e fiquei até meus 19 anos. Eu acabei me apaixonando pelo surfe. Juliano sempre foi como meu segundo pai”, recorda Murilo Henrique Neves Ferreira, 25 anos.

O esporte também é sinônimo de família para quem pratica, como é o caso de Bernar Perim Barcelllos, de 27 anos.

Sarah Nalli, 27 anos, reconhece como o surfe foi capaz de ajudar a encarar as dificuldades de frente: “Para mim, o surfe é mais que uma qualidade de vida. Com o surfe aprendi a encarar as dificuldades para vencermos o mar. Às vezes, é preciso tirar força de onde não temos e nos superar”.

O esporte também é sinônimo de família para quem pratica, como é o caso de Bernar Perim Barcelllos, de 27 anos: “Aqui é como uma família para mim. Esse convívio faz a diferença na vida de todos aqui dentro”.

Professor

Tem até aluno que se tornou instrutor. É o caso de Igor Chaves, 23 anos: “Eu fiz aula quando era adolescente no projeto e agora estou tendo a oportunidade de dar aula. Isso faz parte da minha vida há 13 anos. Acho um trabalho maravilhoso, pois sinto a transformação social na vida de cada um deles. Eles podem estar em situação de vulnerabilidade social e aqui é um momento de lazer. É maravilhoso estar proporcionando essa recreação para todos”.

Igor Chaves se preparando para encarar as ondas

Instrutor do projeto há 14 anos, Fabrício Silva, 29 anos, comenta como é realizar este trabalho: “A cada onda é um desafio tanto para mim como para o aluno. Porque temos uma troca com eles, nunca é a mesma coisa. Nas ondas eu gosto e sempre tenho meu respeito perante o mar também. Alguns alunos chegam com medo, mas acabam vencendo e curtindo as aulas”, comenta Fabiano.

Orgulho

Para fechar, Juliano Moulin diz que se orgulha bastante de poder ser uma ferramenta para ajudar a mudar a realidade de tanta gente.

“Acredito que o esporte é capaz, sim, de transformar o caráter, mudar a vida, a personalidade e dar disciplina. Sou muito grato pela forma com que eu e os instrutores conduzimos este trabalho, sempre priorizando a qualidade e respeito a todos, dentro de cada particularidade”.

- Publicidade -

6 COMENTÁRIOS

  1. É muito bom ler matérias como esta, em que pessoas usam seus talentos para ajudar outras pessoas a se autodescobrirem e ainda constroem um legado. Parabéns!

  2. Sou testemunha da lindeza, seriedade e tamanho amor deste projeto. O “Tio Jú” (meus netos o chamam assim) é um “SER HUMANO” diferenciado…da maior competência e carisma. Sou fã número 1, com muito orgulho.
    O projeto?? É emocionante…sem igual…é lindo!
    Parabéns mil vezes para todos os envolvidos! Deus lhes pague por cada gesto de carinho e amor. 🙏🏻😘🥰🌊🏄🏄🏻‍♀️

  3. Ju, como eu o chamo , amo de paixão a pessoa e o excelente profissional. Essa transformação toda, essa dedicacao , chama_ se educação . Todo seu trabalho é feito com muito amor , com excelência e doação total ao que faz. Parabéns meu querido e continue com toda essa entrega e amor ao ser humano. Te amo de coração . Muito orgulho de vc.

  4. Parabéns, Juliano! Como é bom ver você colhendo os frutos da sua dedicação, amor e entrega aos projetos e aulas. Que sua escolinha seja sempre berço de grandes seres humanos. Você conseguiu fazer da sua escolinha, um lugar onde todos se sentem em casa… Crianças, adultos, jovens e não tão jovens, todos se sentem capazes! 🫶

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Relacionados

- Publicidade -