sábado, 23 de abril de 2022
28.3 C
Vitória

Filha de peixe, peixinho é. Conheça a história da bodyboarder Luna Hardman

Provavelmente você já ouviu o ditado “Filho de peixe, peixinho é”. Alguns pais e filhos têm uma conexão tão grande que acabam gostando das mesmas coisas e até seguindo os mesmos passos. É o caso de Luna Hardman, que desde os 12 anos tem surfado na mesma onda da mãe, Neymara Carvalho, pentacampeã mundial de bodyboard.

“Desde que me entendo por gente, gosto e aprecio o bodyboard. Posso dizer que já comecei com o esporte dentro da barriga da minha mãe. Ela é minha maior referência. Tenho muito orgulho em dizer que sou filha da Neymara Carvalho. Minha mãe é minha inspiração por toda sua força e determinação. Minha outra inspiração é meu pai, que também surfa”, declara Luna.

“Com toda a certeza a Luna é o meu maior troféu. Para mim é um orgulho enorme saber que a minha filha está seguindo o mesmo esporte que me consagrou, e que estou nele até hoje”, comenta Neymara. Foto: Arquivo Pessoal.

Para Neymara, ter a filha trilhando o caminho das ondas é sua maior conquista de vida. “Com toda a certeza, a Luna é o meu maior troféu. É um orgulho enorme saber que a minha filha está seguindo o mesmo esporte que me consagrou e que estou nele até hoje”, comenta Neymara.

Conquistas

Neymara Carvalho tem no currículo cinco títulos mundiais (2003, 2004, 2007, 2008 e 2009) e mais 10 títulos brasileiros. Esse desempenho avassalador já até lhe rendeu os apelidos de “Pequena Notável” e “Neymáquina”.

Pelo que podemos ver, a filha Luna também herdou sua habilidade na execução de manobras e seu apetite por títulos. Com apenas 16 anos ela já está construindo uma carreira recheada de troféus. Luna é bicampeã Capixaba (2016 e 2017) e bicampeã Open Brasileira (2018 e 2019). Recentemente, ganhou a 2ª etapa do Mundial Pro Junior e divide a liderança do ranking junto com Iara Nunes, atleta do Sul do Brasil.

Luna mesmo com seus 16 anos, tem um histórico de responsa no currículo: Bicampeã Estadual, em 2016 e 2017. Bicampeã Open Brasileira, em 2018 e 2019. Ganhou a 2ª etapa do Mundial Pro Junior. Imagem: Arquivo Pessoal.

Apesar da pouca idade, Luna se mostra bem madura e diz tirar de letra a pressão de ser filha de uma das maiores atletas do bodyboard feminino.

“Esperam que eu seja igual ou melhor que minha mãe, mas não encaro dessa forma. Cada uma tem sua história e eu quero escrever a minha”.

Rivalidade

A próxima etapa do Mundial Pro Júnior será no Chile, em maio, e vai colocar Luna e Iara cara a cara novamente. Quem vencer esse duelo assume a ponta isolada da competição internacional.

“Eu e Iara viemos com um histórico de disputa. Desde o Brasileiro nosso nível é bem forte. Em várias baterias estamos juntas. Uma sempre quer ser melhor que a outra. Isso me incentiva a evoluir e querer melhorar sempre”, disse Luna.

Mãe-coruja

Poder dividir viagens e trocar experiências com a filha em competições pelo mundo deixa Neymara em êxtase.

“Nunca imagine estar vivendo isso. Está sendo um presente de Deus poder apresentar os lugares que já competi, que já fui campeã e onde tenho amigos pelo mundo. Já fomos para o Peru, e ela fez amizade, dentro da galera da idade dela. Luna está tendo uma vivencia de mundo incrível e tento direcionar da melhor forma possível. Me sinto muito feliz em poder estar ao lado da minha filha, ainda estar competindo e vendo o início da carreira dela tão abençoada”, menciona a pentacampeã.

 

Rotina de treinos

Luna treina diariamente no Instituto Neymara Carvalho, na Barra do Jucu, com Fábio Silva, mais conhecido como “Caveira”, e também com o mentor de sua mãe, Anderson Pinto, o famoso “Gordinho”.

Além disso, faz fisioterapia e preparação física para ajudar nas provas. “Me sinto muito feliz nos campeonatos. Levo cada competição como minha profissão, pois é isso que quero seguir”.

As lesões fazem parte da rotina de atleta. Mas isso não tira o brilho dos olhos de Luna. “Já me machuquei bastante, mas tudo serve de experiência e aprendizado”.

Ela também faz questão de enaltecer a amizade com a bodyboarder Bianca Simões. “Eu tinha 12 anos quando ficamos amigas. Ela é minha parceira de treinos e adversária nas competições. Nos damos muito bem”, reforça Luna.

Luna tem amizade com a atleta Bianca Simões: “Tenho uma amizade desde meus 12 anos, com Bianca Simões, de Vila Velha. Sempre treinamos e competimos juntas”. Imagem: Arquivo Pessoal.

Maior desafio

O maior desafio da carreira de Luna foi enfrentar as ondas de Itacoatiara, no Rio de Janeiro: “Lá as ondas chegam a 2 metros. Foi dureza enfrentar aqueles paredões”, recorda.

E a preocupação com as ondas também afeta Neymara, que confessa ficar bastante ansiosa durante as provas da filha. “Fico bem ansiosa quando ela está na água. Pois quero que ela se saia bem, até mais do que eu mesma. Mas tento me controlar, para não passar isso para ela. Fico muito apreensiva. É um misto de emoções”, conta.

Futuro

Luna quer que o bodyboard seja algo promissor na sua vida: “Espero mesmo evoluir a cada dia no esporte. Ter ajuda de patrocínio para poder competir, viajar bastante e conhecer novas ondas a nível nacional e até mesmo internacional. Meu maior objetivo, com toda certeza, é ser campeã mundial e vou lutar por isso”.

 

“Meu maior objetivo com toda certeza é ser campeã mundial e vou lutar por isso”, disse Luna. Foto: Arquivo Pessoal.

Lugar encantador

O lugar mais encantador que Luna conheceu com o bodyboard foi Fernando de Noronha: “Lá é um lugar muito lindo. A cultura, os animais. Além disso, Noronha tem uma integração muito especial da natureza com as pessoas. É admirável”.

Luna, disse que Fernando de Noronha foi o lugar mais bonito que já conheceu ao lado sua mãe: “Lá é um lugar muito lindo. A cultura do lugar, os animais. Além disso, tem uma integração muito especial da natureza com as pessoas. É admirável a valorização do esporte neste lugar também”. Foto: Arquivo pessoal.

Rei Midas do bodyboard

Anderson Pinto, o “Gordinho”, sem sombras de dúvidas pode ser chamado de Rei Midas do bodyboard capixaba. Isso porque, os atletas que treinam com ele, geralmente se tornam medalhistas de ouro. Quer prova maior do que Neymara Carvalho?

Sempre atencioso, Gordinho aproveitou para falar do carinho que tem por mãe e filha: “Quando comecei a treinar a Neymara, eu era atleta e ela estava começando a surfar. Hoje, ela menciona que sou como o pai dela no esporte. Isso é motivo de orgulho para mim. Saber como o esporte é capaz de transformar vidas e sonhos é maravilhoso. A Neymara e a Luna são especiais. Pessoas e atletas fantásticas. Como costumo dizer: ‘Às vezes você não precisa ser um atleta de ponta para ser vencedor na vida. Você precisa ser um cidadão de bem”, completou Gordinho.

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Relacionados

- Publicidade -