INSS poderá cortar benefícios por incapacidade mesmo após 10 anos de concessão

0
INSS pode revisar e cortar benefício por invalidez. Foto Reprodução internet

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) poderá revisar e cancelar benefícios por incapacidade e assistenciais mesmo após dez anos de concessão, de acordo com uma nova resolução do Conselho de Recursos da Previdência Social (CRPS). A medida tem como objetivo uniformizar as regras para os recursos apresentados ao conselho.

A resolução possibilita a revisão e corte do pagamento de aposentadoria por invalidez, atualmente denominada aposentadoria por incapacidade permanente, e auxílio-doença. Esses benefícios são considerados auxílios por incapacidade temporária e o Benefício de Prestação Continuada (BPC), sujeitos a revisões periódicas previstas em lei.

No entanto, há exceções em que o INSS não pode cortar a renda do segurado. Em situações de má-fé na concessão, o corte pode ocorrer a qualquer momento, segundo a resolução.

A advogada e presidente do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (IBDP), Adriane Bramante, afirma que o INSS já vinha aplicando esse entendimento em processos administrativos. A resolução, de acordo com ela, apenas ajusta o enunciado aos posicionamentos administrativos e judiciais já consolidados.

O advogado especialista em Previdência, Rômulo Saraiva, também destaca que a resolução reflete um entendimento já consolidado administrativamente. Isso se aplica a benefícios em que o segurado pode ter alta médica, mesmo depois de muitos anos, como na aposentadoria por invalidez e no auxílio-doença.

Para Saraiva, a razão de permitir o corte após dez anos é que esses benefícios podem sofrer alterações ao longo do tempo. Com os avanços da medicina, a condição do beneficiário pode mudar, e o benefício pode perder sua justificativa.

A resolução também estabelece que o benefício não pode ser cortado caso o segurado não possua mais a documentação apresentada na data da concessão, desde que essa data tenha mais de dez anos. A exceção ocorre quando fraudes ou má-fé são comprovadas.

Para evitar a perda do benefício, o segurado convocado pelo INSS para revisão deve atender prontamente às solicitações do órgão, apresentando os documentos e laudos médicos necessários. Em casos de benefícios por incapacidade, é importante agendar uma perícia médica e não faltar no dia marcado.

É essencial também levar laudos médicos e exames atualizados que comprovem a incapacidade para o trabalho. Aqueles que obtiveram a concessão judicial devem levar ao perito do INSS uma cópia do processo e atestar a impossibilidade de retorno ao mercado de trabalho, caso aplicável. Com informações da Folha de S. Paulo.

Receba as principais notícias do dia no seu WhatsApp! Basta clicar aqui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui