quarta-feira, 18 de maio de 2022
24.9 C
Vitória

R$ 30 milhões em cocaína apreendidos em navio no Espírito Santo

Uma carga de cocaína avaliada em mais de R$ 30 milhões foi apreendida em um porto privado no litoral de Aracruz, no Norte do Espírito Santo, neste sábado (28). Parte da droga estava escondida no casco do navio, uma operação que dificilmente seria feita sem que os donos da embarcação soubessem do transporte irregular da substância.
A Polícia Federal afirmou que o navio não faria qualquer parada ao zarpar do Espírito Santo, o que demonstra que a droga tinha destino certo na Europa, sem atracar em outro porto do Brasil. Ao todo haviam cinco pacotes escondidos no casco da embarcação com 45 quilos de cocaína, cada. Eles foram removidos com apoio dos mergulhadores do Corpo de Bombeiros.
A PF agora trabalha para identificar todos os envolvidos no episódio. Toda droga encontrada e apreendida foi levada para a pesagem oficial e confecção dos laudos periciais necessários.
Rota Internacional
No último dia 6 de março, a PF havia apreendido 40 quilos de cocaína em um navio atracado no terminal portuário, Portocel. A droga estava em uma bolsa amarrada ao casco da embarcação que tinha como destino a Holanda.
Já em janeiro (06) um total de 53 quilos de cocaína foi apreendido pela Polícia Federal. A droga também estava escondida no casco de um navio que seguiria para a Holanda, desta vez, atracado em Aracruz, com uma carga de celulose.
A Polícia Federal acredita que o entorpecente veio de fora do país. A logística para encontrar a droga foi de alto custo. A apreensão, segunda a polícia, confirma que o Espírito Santo está rota do tráfico internacional de cocaína.
A operação resultou em um prejuízo para a quadrilha envolvida. O valor pode chegar a um milhão de euros, mais de R$ 5,5 milhões.
À época ninguém foi preso, no entanto, a embarcação que estava rodando em volta do navio foi identificada. A Polícia Federal levantou pistas de quem pode estar por trás de toda operação de transporte da droga.
Foto: Polícia Federal/Divulgação
Desde o final do ano passado, quando 890 quilos de cocaína foram apreendidos na Grande Vitória, um boliviano vinha sendo investigado.
É ele o estrangeiro acusado de fixar os 890 quilos de cocaína em um navio no Espírito Santo.
O homem foi preso usando roupa de mergulho em São Paulo. Ele foi detido na madrugada do dia 11 de janeiro, no Porto de Santos, em São Paulo.
A operação de janeiro
Os policiais civis do Departamento de Investigações Criminais realizavam vigilância no local, em razão de investigação que indicava a colocação de uma carga de cocaína em um dos navios aportados.
Após algumas horas, dois homens foram vistos se aproximando do cais na margem direita do porto e, ao perceberem a presença dos policiais, fugiram em direções opostas.
Um deles, justamente o estrangeiro identificado pela Força-Tarefa de Segurança Pública e que estava foragido, foi perseguido e preso. Ele vestia traje de mergulhador e foi encaminhado para um presídio local.

Ano passado

Já em junho de 2021, um homem de 57 anos, sargento reformado da Polícia Militar (PMES), foi detido em flagrante por policiais civis da Delegacia Especializada de Narcóticos (Denarc) de Aracruz e por militares da Força Tática e da 2ª Seção do 5° Batalhão da Polícia Militar. Com o suspeito, foram apreendidos 03 quilos de pasta base de cocaína e R$ 10 mil em espécie.

A operação conjunta foi desencadeada após meses de investigações, que contaram com o apoio do Ministério Público de Aracruz. O militar é apontado nas investigações como um grande fornecedor de entorpecentes para diversos municípios da região norte e Grande Vitória.

Após uma barreira policial, realizada nas proximidades de Santa Cruz, em Aracruz, foi possível prender o investigado enquanto dirigia um veículo branco, que pertence a uma locadora.

“Dentro do veículo, foram apreendidos, aproximadamente, três quilos de pasta base de cocaína, R$ 10 mil em espécie, além de quatro chaves de fenda, que possivelmente eram utilizadas para esconder a droga dentro do veículo”, contou o delegado André Jaretta, titular da Denarc de Aracruz, à época.

- Publicidade -

2 COMENTÁRIOS

  1. Cadê os políticos que dizem combater o crime no ES? Só vejo bandidagem aumentando. Temos uma política voltada para abastecer quadrilhas, seria esse o caso?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Relacionados

- Publicidade -