quinta-feira, 19 de maio de 2022
20.9 C
Vitória

Procon revela que preço do cafezinho varia até 820% em padarias de Vitória

Pesquisa realizada pelo Procon de Vitória aponta que o preço do cafezinho pode variar até 820% em padarias da capital. Já o valor do pãozinho francês com manteiga pode variar até 200% entre os estabelecimentos pesquisados. Pelos números encontrados, se uma pessoa consumir os itens encontrados na padaria com os valores mais altos todos os dias, ao final de um mês terá desembolsado R$ 384,00.

A equipe do Procon municipal visitou 18 padarias nas 9 regiões administrativas do município. A pesquisa “Pão nosso de cada dia” fez uma análise comparativa de preços do quilo do pão francês, pão francês com manteiga (unidade), café (unidade), pão francês com manteiga + café (combo).

O objetivo, segundo o órgão de defesa do consumidor, é oferecer uma referência para as pessoas realizarem suas compras. A variação de preço do pão francês (1kg) chega a 109%, podendo ser encontrado de R$ 10,90 a R$ 20,90. Já a diferença do pão com manteiga é ainda maior, chegando a 200%, variando de R$ 2,00 a R$ 6,00.

E para quem gosta da tradicional xícara de café (pequena), o levantamento surpreende ainda mais, com uma variação de 820%, indo de R$ 0,75 a R$ 6,90. Já o “combo” pão com manteiga e café apresenta uma diferença de 365,45%, custando de R$ 2,75 a R$ 12,80.

“Por termos percorrido toda a cidade, é claro que fomos em regiões mais caras e mais baratas. Nas regiões do Centro de Vitória e também na Praia do Canto nós encontramos os preços mais altos da pesquisa. Comparando com outras regiões, como em São Pedro, Maruípe, Goiabeiras, o preço é menor”, disse a gerente do Procon Vitória, Denize Izaita.

A gerente destaca que o que explica essa variação é a liberdade da economia de mercado que permite, em tese, que o empreendedor atribua o preço que for necessário e que desejar aos seus produtos até mesmo a localização, gastos com mão de obra, aluguel, gastos que vão influenciar no preço final dos produtos.

“Essa pesquisa se destina a fazer um alerta para o consumidor quanto aos valores altos distendidos no consumo do “cafezinho”. É um alerta para o consumidor rever os seus hábitos de consumo e sempre que possível consumir o produto em casa ou no local de trabalho”, explicou Denize.

Denize ainda destaca que consumir esses produtos em casa é importante do ponto de vista econômico, porque é o bolso do consumidor que sofre. Ela ainda trás mais exemplos: se a pessoa consumir um pão com manteiga e um café na padaria mais barata visitada na pesquisa, vai gastar R$ 82,50 se consumir os itens todos os dias durante 30 dias e R$ 384,00 na padaria mais cara.

“A importância é econômica, é financeira, estamos vivendo um período de recessão e de crise econômica principalmente em função da pandemia, então não é hora de gastar. E se o consumidor puder mudar os seus hábitos para economizar ao final do mês ou do dia, melhor ainda”, ressaltou.

Economia de mercado x abuso

A gerente do Procon Vitória explicou que os empresários têm a liberdade pela economia de mercado na composição de preços dos produtos. Por outro lado, comportamentos antieconômicos de abusividade devem ser denunciados e não podem acontecer.

De acordo com Denize, a orientação é que o consumidor faça uma comparação entre os preços praticados por diferentes estabelecimentos e também considere a relação qualidade, peso e preço do item a ser adquirido. Além disso, também alerta que sejam avaliados os seguintes fatores: procedência, validade e acondicionamento dos produtos antes de realizar a compra.

“Quem faz a medida e a métrica do abuso, na primeira ponta, é o consumidor, porque ele acaba sendo vítima desses abusos e relatando para os órgãos de defesa do consumidor”, frisou Denize.

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Relacionados

- Publicidade -