sábado, 21 de maio de 2022
23.9 C
Vitória

Obras de saneamento na Prainha, VV, vão beneficiar 2 mil pessoas

Duas mil pessoas e cerca de 350 imóveis deverão ser beneficiados com obras de saneamento na Prainha, em Vila Velha/ES, paralisadas ano passado e retomadas agora em janeiro.

Os investimentos estão calculados em R$ 1,2 milhão para a implantação de 1 quilômetro de sistema de esgoto sanitário para atender a toda a área residencial e comercial, às portas do histórico sítio religioso Convento da Penha, polo de secular atração turística. 

Meio ambiente

Lucas do Socorro Ribeiro, analista de engenharia da empresa Ambiental Vila Velha, ligada ao grupo do setor privado de saneamento básico Aegea Saneamento (*), avalia que o investimento trará impactos positivos ao meio ambiente, além de valorizar os imóveis de toda a área.

“A obra impactará na qualidade de vida, na saúde, no meio ambiente”.

Lucas Ribeiro esclarece que áreas residenciais ou comerciais sem um sistema completo de saneamento básico são altamente desvalorizadas.

“Para se ter uma ideia, os bancos não liberam financiamentos para áreas assim, sem uma rede de saneamento básico consistente”, completou ele.

As obras foram paralisadas no final do ano passado e retomadas agora, em janeiro de 2022. Devem ser concluídas em 4 meses estimadamente, segundo Lucas do Socorro Ribeiro.

“Quando os trabalhos estiveram finalizados depois desses 120 dias, a Prainha terá 100% das residências e comércio com rede sanitárias tratada”.

Moradores

A equipe de reportagem da MovNews esteve na Prainha conversando com alguns moradores e trabalhadores da região. A maioria dos entrevistados espera com ansiedade a conclusão das obras.

Joana de Jesus, que mora na rua 23 de Maio, disse que se alegra com a possibilidade de ter o esgoto tratado e que ficou preocupada quando as obras paralisaram no final do ano passado.

“Espero que as obras não parem novamente, até pensei que não iriam retornar. Obra pública quando para, é difícil de voltar”. 

José dos Santos Plaster mora no bairro há mais de 23 anos e também só vê benefícios para o seu bairro com saneamento básico para todas as casas.

“O bairro é um dos lugares mais turísticos de Vila Velha. Melhorar a estrutura da Prainha é importante para todos os moradores e também para os milhares de visitantes”, afirma.

Ana Maria Belisário, moradora do bairro Soteco, trabalha num comércio na Prainha e comenta que as obras só vão trazer benefícios para os moradores, comerciantes e turistas.

“Os moradores ganham com isso e não podemos esquecer do comércio da Prainha, que é uma região turística e histórica. Além disso, um esgoto tratado evita muitas doenças e bichos que gostam de esgoto”, lembra. 

A moradora Júlia Novaes fala sobre a importância das obras e destaca que, para ela, essa é uma questão de saúde pública.

“O saneamento melhora a qualidade de vida de todos que vivem, trabalham e circulam por aqui, pela nossa Prainha”.

Outras localidades

Além da Prainha, outros bairros de Vila Velha também receberam rede de esgoto. Em Mares Guia, Itaparica, foram implantados 200 metros de uma nova rede de esgoto e linha de recalque, além de uma estação elevatória. Segundo a Ambiental Vila Velha, a obra beneficia aproximadamente 10 mil pessoas nessa área. 

Em Itapuã, na Alameda do Amor, a empresa revelou que fará a substituição de cerca de 400 metros de rede coletora, onde serão contemplados aproximadamente 500 imóveis e quase 20 mil moradores. 

Obras de esgotamento sanitário em Mares Guia, Itaparica. Foto: Ambiental Vila Velha
Parceria

(*) Ambiental Vila Velha é uma empresa do grupo do setor privado de saneamento básico Aegea Saneamento, que firmou uma parceria com a Companhia Espírito-santense de Saneamento (Cesan) para ampliar o sistema de esgoto de Vila Velha por um tempo determinado. O vínculo começou em 2017 e tem o objetivo de tratar o esgoto de toda o município.

 igreja-nossa-senhora-do-rosario-prainha-vila-velha.jpg
igreja nossa senhora do rosário, prainha, vila velha/es

Prainha, o começo de tudo

Por Oswaldo Oleari

Foi onde começou tudo. Em 1535 o primeiro donatário da Capitania, Vasco Fernandes Coutinho, aportou exatamente ali, na Prainha, pelo que conta a história. Logo, logo, no mesmo ano, começou-se a construção de uma capela, que seria ampliada em 1551.

Em 1709, a capela passou por uma reforma, o que se repetiria sucessivamente ao longo dos anos e séculos seguintes, até se tornar a Igreja Nossa Senhora do Rosário, aquela linda igreja que embeleza os dias e as vidas de milhões de visitantes ao longo dos anos, até os dias atuais. Trata-se de um sítio histórico secular, marca perene da colonização da Capitania e das terras do atual Estado do Espírito Santo.

A Igrejinha do Rosário, como a tratam carinhosamente cronistas, escritores, contadores de histórias, é tombada pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).

Oswaldo Oleari Oleare (FB) é radialista, jornalista, publicitário.

https://movnews.com.br/colunistas/2022/02/nova-taxa-selic-pode-chegar-a-12-em-2022/

 

 

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Relacionados

- Publicidade -