segunda-feira, 16 de maio de 2022
23.9 C
Vitória

Gripe e Covid-19 afastam doadores, e estoque de sangue no Hemoes é crítico

A epidemia de gripe (Influenza) e a Covid-19 tem afastado doadores de sangue, fato que tem deixado em nível crítico o estoque do Centro de Hemoterapia e Hematologia do Espírito Santo (Hemoes), em Maruípe, Vitória. A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) informou que, nesta quarta-feira (16), havia só apenas 8 bolsas de sangue O negativo, cuja reserva considerada ideal é de 52 bolsas, ou seja, cerca de 15% do desejado.

Com 94 bolsas armazenadas, o estoque do tipo O positivo também está longe do ideal de 164 bolsas. A situação se repete em outras classificações, a exemplo do A negativo, com somente duas das 20 bolsas ideais; do A positivo (72 de 108); e do B negativo (seis de oito). A baixa provisão de bolsas de sangue não é novidade, mas tem sido pior desde o final do ano passado, como afirma a diretora-geral do Hemoes, Marcela Murad.

“Infelizmente, o quadro atual é de uma baixa considerável do nosso estoque. Isso se deve a várias situações, como férias que as pessoas viajam e deixam de doar. Desde dezembro até agora, início de fevereiro, observamos queda considerável de doadores dentro do hemocentro. Isso acontece anualmente, mas neste ano nós tivemos uma queda significativa no fluxo de doadores devido ao surto de influenza e à pandemia”.

Bolsas de sangue O negativo são as mais necessárias para distribuição pelo Hemoes, responsável pelo fornecimento aos hospitais públicos de todo o Estado. Estima-se que somente 9% da população brasileira tenha essa classificação sanguínea uma das mais importantes para transfusões, dada sua capacidade de ser aceito por pessoas com outros tipos de sangue, tais como A, B, e AB, independente se positivos ou negativos.

Segundo Murad, a qualquer sintoma que levante suspeita de infecção pelos vírus da gripe ou da Covid-19, como tosse, coriza e espirros, as pessoas desistem de doar sangue. Diagnóstico semelhante se deu no início da pandemia, em março de 2020. Mais de um ano depois, em junho de 2021, a redução chegou a 50%, caindo de 100 a 120 doadores por dia no Hemoes, em Maruípe, Vitória, para, aproximadamente, até 60 doadores diariamente.

Para reverter o quadro, o hemocentro intensificou a coleta itinerante, mas com menor capacidade, deixando de lado os ônibus, que demandam uma estrutura física mais ampla. Desde então, as coletas acontecem em locais menores, infraestrutura reduzida e também menos doadores e custos. Atualmente, uma média de 30 a 40 doadores são atendidos nas ações, realizadas em condomínios, empresas, faculdades e igrejas.

“Todos os pacientes portadores de doenças crônicas, como hemofilia, leucemia, anemia, entre outras, necessitam de transfusões periodicamente como parte do tratamento. Também quem passou por cirurgias cardíacas, acidentes veiculares, queimaduras e várias outras enfermidades porque não existe nenhum substituto para o sangue. Muitas vezes a única forma de salvar uma vida é a transfusão”, explica a diretora-geral.

“Gostaria de pedir à população para que doe sangue, porque doar sangue é um ato de amor, é muito importante. Uma doação pode salvar até quatro vidas e somente através da doação é que conseguimos salvar vidas”, sensibiliza Murad.

Condições para doar

Mesmo sempre estimulando que mais pessoas se tornem doadoras e que aquelas que já costumam doar o façam com maior frequência, a diretora-geral do Hemoes faz questão de esclarecer alguns pontos fundamentais para garantir a saúde de quem doa e de quem recebe o sangue. São pré-requisitos:

  • Estar bem de saúde;
  • Pesar mais de 50 kg;
  • Ter entre 16 e 69 anos;
  • Menores de 18 anos precisam de autorização dos responsáveis; e
  • Pessoas acima de 61 devem ter feito a primeira doação até os 60 anos;
  • Homens podem doar, no máximo, quatro vezes em um prazo 12 meses, ou seja a cada 60 dias;
  • Mulheres podem doar, no máximo, três vezes num período 12 meses, ou seja, a cada 90 dias; e
  • Interessados precisam ir até os hemocentros portando documento oficial com foto.

“Quando a pessoa chega para se cadastrar, faz uma triagem hematológica, verifica o nível de hemoglobina. Se não estiver no nível adequado, não realiza a doação para a sua própria segurança. Por isso fazemos essa análise clínica antes do ato”, diz Murad, que desmente o mito de que doadores precisam fazer muitas horas de jejum antes da coleta.

“Não precisa estar em jejum. Muitas pessoas vêm assim, mas não precisam disso. No almoço, quando costuma-se comer mais, é preciso aguardar de 2 horas a 3 horas para fazer a doação. Se comer uma salada, um bife, coisa leve, 2 horas bastam. Se for coisa mais pesada, melhor esperar as 3 horas. Mais que isso não é necessário”.

Apesar de terem afastado doadores, a Covid-19 e a gripe não impedem que a pessoa doe sangue após estar plenamente recuperada. Até janeiro deste ano, o Ministério da Saúde determinava um período de 30 dias depois da recuperação para fazer a doação. Ao final do mês, o entendimento mudou e reduziu a espera para 10 dias. Nos casos assintomáticos, confirmada a infecção pelo coronavírus, são 10 dias após a realização do teste.

Quem tomou a vacina da gripe deve aguardar 48 horas para doar. Já quase todos os imunizantes da Covid-19 exigem uma espera de sete dias, independente se for primeira e segunda dose ou a dose de reforço. A única exceção é a vacina Coronavac, cujo intervalo entre a aplicação e a coleta deve ser, também, de 48 horas.

Quer doar?

Antes de se dirigir ao hemocentro mais próximo e realizar a doação, é preciso agendar a coleta devido à necessidade de evitar aglomerações e cumprir demais normas sanitárias de combate ao novo coronavírus. A coleta itinerante deve ser solicitada de forma virtual, no e-mail: [email protected]

Veja abaixo a lista dos locais para doação e os telefones de contato para agendamento:

  • Hemocentro do Estado do Espírito Santo (Hemoes)

Avenida Marechal Campos, 1.468, Maruípe, Vitória. Funciona todos os dias, das 7 às 19h (cadastro do doador encerra as 18h20). Telefone: 3636-7900/7920/7921.

  • Unidade de Coleta à Distância da Serra

Avenida Eudes Scherrer Souza, s/n (anexo ao Hospital Estadual Dório Silva). Funciona de segunda-feira a sexta-feira, das 7h às 12h (cadastro do doador encerra às 11h30) e das 13h às 16h (cadastro do doador encerra às 15h20). Telefone: 3218-9429/ 3218-9242.

  • Hemocentro de Linhares

Avenida João Felipe Calmon, 1.305, Centro (ao lado do Hospital Rio Doce). Funciona de segunda a sexta-feira, das 07h às 16h (cadastro do doador encerra as 12h30). Telefone: 3264-6000/ 3264-6019.

  • Hemocentro Regional de Colatina

Rua Cassiano Castelo, s/n, Centro. Funciona de segunda a sexta-feira, das 07h às 16h (cadastro do doador encerra as 12h30). Telefone: (27) 3717-2801.

  • Hemocentro Regional de São Mateus

Rodovia Otovarino Duarte Santos, Km 02, Parque Washington. Funciona de segunda a sexta-feira, das 07h às 16h (cadastro do doador encerra as 12h30). Telefone: (27) 3767-7957.

- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Relacionados

- Publicidade -