quarta-feira, 18 de maio de 2022
22.9 C
Vitória

Tudo o que você queria saber sobre rótulos dos vinhos e ninguém nunca lhe disse

Os rótulos contam toda a história do vinho engarrafado, uma verdadeira aula de geografia. Recentemente degustei um vinho que me surpreendeu e agradou muito, o Château Moulin du Cadet, originário de Saint-Émilion, sub-região francesa de Bordeaux.

Para eu falar sobre este vinho vamos entender um pouco os rótulos dos vinhos franceses. Embora haja algumas poucas exceções, ainda não é comum os produtores indicarem a uva ou várias uvas – assemblage em francês e blend em inglês –, nos rótulos das garrafas dos vinhos, embora esta legislação já venha sofrendo algumas modificações.

A identificação das uvas nos vinhos franceses fica por conta da região em que o vinho foi produzido e engarrafado. No caso específico do vinho citado, sabe-se que é originário de Saint-Émilion, região onde predomina a uva Merlot.

Foto: Château Moulin du Cadet/Reprodução

Foi divulgada a nova classificação oficial dos vinhos de Saint-Emilion. A cada dez anos uma nova lista ordena os Châteaux desta importante sub-região de Bordeaux em quatro categorias de Grands Crus, cabe aqui também uma pequena explicação a respeito desta denominação: a palavra cru é uma conjugação do verbo “croître”, que quer dizer “crescer”, em francês. O termo cru é usado para indicar um vinhedo específico e de reputação reconhecida, localizado em um terroir de renome e é também usado para se referir ao vinho produzido a partir dessas videiras desses vinhedos.

Os vinhos de Saint-Emilion são bem diferentes dos do Médoc, principal sub-região de Bordeaux, situada na margem esquerda do rio Gironde, formado pelos rios Garonne e Dordogne, que, ao se encontrarem, formam o estuário do Gironde. Lá são produzidos muitos dos melhores, mais prestigiados e mais caros vinhos do mundo.

Enquanto à esquerda a uva dominante é a Cabernet Sauvignon, em Saint-Emilion reina a Merlot, com importante presença também da Cabernet Franc. Como estas cepas têm menos taninos que a Cabernet Sauvignon, os vinhos de Saint-Emilion são geralmente mais fáceis de beber, mais encorpados, redondos, macios e amadurecem mais cedo que os do Médoc.

Caro leitor, qualquer que seja a margem do rio Gironde, esquerda ou direita, você estará degustando vinhos de qualidade superior. Então, em sua próxima degustação, inclua um vinho do sudoeste da França. Você estará escolhendo um néctar dos deuses Baco e Dionísio.

Até a próxima semana, mas, se dirigir não beba.

Santé!

- Publicidade -

2 COMENTÁRIOS

  1. Interessante como um rótulo pode trazer tantas informações importantes para a degustação de um vinho como sua história e geografia. Ouvi uma vez que há escalas de avaliação de rótulos de vinho. Aprendendo muito essas postagens

  2. Cara Patrícia leitora contumaz da coluna, muito obrigado pelo seu comentário.
    Leitor com o seu perfil é que nos move a conhecer, aprender mais, e, claro degustar muito mais para aprender um pouquinho mais sobre vinhos.
    Grande abraço,
    Paulo Angelo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Relacionados

- Publicidade -