quarta-feira, 18 de maio de 2022
21.9 C
Vitória

Tudo o que você sempre quis saber sobre cápsulas e ninguém nunca lhe disse

Nesta coluna vamos falar um pouco sobre aquela parte superior que envolve o gargalo das garrafas de vinho, a cápsula.

Fabricada com materiais diversos, dentre eles plástico, alumínio, estanho, polietileno, pvc (policloreto de vinila), etc, a cápsula tem várias funções: decoração, proteção e conservação para a rolha. Se você, apreciador de vinhos, retirar a cápsula inteira – nem sempre esta ação é possível – ou com um cortador de lacre próprio para esta finalidade, observará pelo menos um furinho – em algumas cápsulas este número pode chegar a quatro – e talvez o leitor tenha a curiosidade de saber o motivo da existência deles, até então, não observados.

Cortador de lacre de garrafa de vinho – Foto: Reprodução

Vamos tentar esclarecer de uma forma bem simples a finalidade deles. Um desses motivos: a cápsula é fixada no gargalo das garrafas dos vinhos por pressão. Então, esses furos servem para deixar escapar o ar que se acumula durante o processo de engarrafamento podendo até deteriorar o encapsulamento ou afetar negativamente o vinho.

Foto: Reprodução

Um outro motivo: talvez alguma vez o leitor tenha aberto uma garrafa de vinho e não ter consumido tudo, e, se perguntado o que fazer com o vinho que sobrou na garrafa? Automaticamente, você usa a própria rolha que sacou da garrafa e a devolve para o gargalo e a geladeira. Desta forma achamos que estamos protegendo o vinho, mas, na realidade, estaremos diminuindo consideravelmente a vida da bebida. Por quê? Quando se abre uma garrafa de vinho, o INS 220 (anidrido sulfuroso, SO2) injetado no vinho durante o processo de engarrafamento para conservar o produto, exala por completo e em seu lugar entra o oxigênio. Aí o espaço que ficará entre o vinho e a rolha fará com que o oxigênio acelere o que os franceses chamam de bouchonée, avinagrar o vinho. Se ao invés da rolha usarmos a cápsula (foto acima), esses “desconhecidos” furinhos farão com que o oxigênio saia lentamente da garrafa, acrescentando um tempo maior de vida útil à bebida, possibilitando ao leitor degustar o que sobrou do vinho guardado na geladeira.

Bom, caro leitor, o ideal é consumir todo o vinho quando se abre uma garrafa. Caso isto não seja possível, uma boa maneira de se guardar o que sobrou é seguir as orientações acima mencionadas.

Até a próxima semana, mas, se beber, não dirija!

- Publicidade -

2 COMENTÁRIOS

  1. Boa quinta, meu caro colunista.

    Aqui é o “engólogo” Don Oleari. Dadondi consigo essas cápsulas? Mesmo assim, tacando a mema rolha pruma sobrinha na garrafa, não tenho perdido nenhum. Até porque geralmente fico penalizado daquele restim sozim na garrafa, pegando uma noite de geladeira kkk…Àsveiz fico tão penalizado que entorno o restim numa taça e degusto calmamente. Valeu. PAZrabéns pela coluna, sempre instrutva. Abração do seu leitor admirador, Don Oleari.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Relacionados

- Publicidade -