quarta-feira, 18 de maio de 2022
21.9 C
Vitória

Quase centenária, Ponte Florentino Avidos é o retrato do abandono e do descaso do poder público

Com cerca de 95 anos, a Ponte Florentino Avidos, muito conhecida como Cinco Pontes, já foi um dos belos cartões postais de Vitória. Na realidade, de Vitória e Vila Velha, já que liga os dois municípios. Dela se avistam grandes navios cargueiros, lanchas e pequenas embarcações cortando as águas da baía, sargos que se deixam fisgar por anzóis puxados em linha por pescadores e testemunha-se o ir e vir de bicicletas e pedestres dividindo o passeio e a pista com automóveis, motos, caminhões e ônibus. A partir dela, ao cair da tarde, pode-se apreciar um belo por do Sol às costas do Moxuara.

Infelizmente, a quase centenária ponte, que já foi orgulho dos moradores, está praticamente abandonada e, como filho feio não tem pai, ninguém a reconhece nem assume com vontade. Para bom entendedor, é ignorada pelo poder público. Prefeituras se eximem da responsabilidade, apontando-a como responsabilidade do Governo do Estado, que também se exime. Assim, “sem paternidade”, não recebe cuidados e nela encontra-se de tudo ali: muita areia, garrafas plásticas, peças de automóveis, cacos de vidro, pneus, sapatos velhos o que mais se pensar. É tanta sujeira que, apesar de ser uma estrutura de concreto e aço, dela brotam muito mato e até arbustos. 

O perigo disso tudo começa pela chance de acidentes de trânsito, principalmente se o pneu de algum carro de passeio, caminhão, ônibus ou motocicleta – que ainda podem derrapar – furar nos buracos existentes no caminho. Nos dois sentidos, o início da ponte é margeado por corrimãos retorcidos por colisões de veículos, decerto dolorosas, talvez fatais.

Os acessos também oferecem obstáculos, mas aí não podem as administrações municipais lavar as mãos. Em Vila Velha, no bairro São Torquato, o cruzamento da Avenida Senador Robert Kennedy com a Rua Vila Isabel é esburacado e comportam ainda trilhos asfaltados de um trem que há décadas deixou de funcionar. Na capital, da saída da Rodoviária até a ponte, galhos de árvores prejudicam a visão dos motoristas. Do lado canela-verde, idem.

As duas prefeituras foram procuradas para comentar a situação e apresentarem soluções para as condições da Ponte Florentino Avidos. Vitória ignorou, e Vila Velha limitou-se a responder que “o trecho é de responsabilidade do Governo do Estado”.

Foto: Reprodução/TV MovNews

Procurado por meio do Departamento de Edificações e de Rodovias do Espírito Santo (DER-ES), o Governo estadual afirma que a ponte não faz parte de seu sistema rodoviário. “No entanto, por entender a importância do trecho para a Região Metropolitana, o Governo do Estado está fazendo levantamentos técnicos estruturais a fim de recuperar a ponte”, conclui a nota, sem dar mais detalhes.

O órgão que é responsável, entre outras atribuições, pela manutenção da malha viária estadual foi questionado se vem tomando ações de conservação e quando seria a próxima intervenção. Também foi enviado questionamento sobre um pedido de municipalização da ponte pela Prefeitura de Vitória em 2020. Não houve resposta para essas perguntas.

Foto: Reprodução/TV MovNews

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Espírito Santo (Crea-ES) também foi procurado pela reportagem. Perguntado se realiza vistorias técnicas na ponte, respondeu, por meio de sua assessoria de imprensa, que o faz apenas em casos de denúncias ou reclamações. A última vez que o órgão vistoriou a “Cinco Pontes” foi no final de 2017, a pedido da Comissão de Infraestrutura da Assembleia Legislativa (Ales).

Divulgado em dezembro daquele ano, o relatório dos trabalhos técnicos conduzidos pelos integrantes do conselho concluiu que  a estrutura apresentava “bom estado de conservação”. No entanto, recomendou “aos responsáveis pela manutenção da estrutura o
desenvolvimento e a implementação de um projeto de caráter permanente de
um ‘Sistema de Manutenção'”.

Desta forma, diante das tergiversações sobre a responsabilidade sobre a Ponte Florentino Avidos, cabem apenas preces a Santa Ana, a padroeira dos idosos.

História

Foto: IBGE

Entre maio de 1924 e junho de 1928, Florentino Avidos era o presidente do Estado do Espírito Santo, cargo hoje denominado de governador. À época, o mandatário retomou um conjunto de serviços e obras de infraestrutura adiantado por Jerônimo Monteiro de 1908 a 1912, mas interrompido durante a I Guerra Mundial (1914-1918).

Entre os desafios: criar uma nova ligação entre Vitória e o continente. Até a década de 1920, só havia a Ponte da Passagem, situada ao nordeste da capital, ligando-a ao município de Serra em uma área pouco ocupada e longe do núcleo urbano mais importante no início do século passado. Era preciso mais: ligar o Porto de Vitória às estradas de ferro Vitória-Minas e Leopoldina Railway.

O presidente estadual encomendou então uma ponte metálica a uma fábrica alemã. Batizada de Ponte Florentino Avidos, a travessia começou a ser construída entre 1924 e 1927, sendo concluída um ano depois. De aço e transportada da Europa para o Espírito Santo nos porões de navios, a nova ponte começou a ser montada no dia 1° de março de 1926, em pilares construídos com antecedência.

A ponte tornou-se um marco do patrimônio histórico e ambiental urbano do Espírito Santo, sendo tombada pelo Conselho Estadual de Cultura (CEC) em 1986. Recebeu ainda o apelido de “Cinco Pontes” dada sua estrutura: cinco pré-fabricados de aço que unidos resultam numa icônica travessia.

Foto: Instituto Jones dos Santos Neves
- Publicidade -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Moderação de comentário está ativada. Seu comentário pode demorar algum tempo para aparecer.

Relacionados

- Publicidade -